A HISTÓRIA DA FORMAÇÃO PRESBITERAL NO BRASIL: DO TEMPO COLONIAL AO IMPÉRIO

Pe. Antonio Marcos Chagas, Marlene Gomes Guerreiro

Resumo


A história da Igreja do período colonial ao império ocupa um espaço significativo na história do Brasil. Na história da Igreja Católica, a formação das vocações presbiterais é um ponto altamente decisivo no seu desenvolvimento integral. No tempo da colônia, os reis portugueses quiseram unir a evangelização e a colonização. Os jesuítas exerceram neste contexto, até sua expulsão, um papel relevante e decisivo para a formação dos futuros pastores no Brasil. Entretanto, houve fechamento para com as vocações locais. No império, as ingerências do governo limitaram e inibiram muito a expansão da Igreja, fomentando situações de conflito e gradativo afastamento. O presente artigo discorrerá sobre estes pontos que marcaram a história da formação presbiteral neste período.

Palavras-chave


Formação Presbiteral. Período colonial. Império. Igreja.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. L. O pensamento burguês no seminário de Olinda (1800-1836). 2ª edição. Campo Grande (MS) /Campinas: Editora EFCS: Autores Associados, 2002.

AUBERT, R. Storia della Chiesa. Il Pontificato di Pio IX (1846-1878). Parte seconda. 2ª edição, Vol. XXI/2, Torino: SAIE, 1976.

AZEVEDO, F de. A cultura brasileira. 4ª edição, São Paulo: Editora UNB, 1963.

AZZI, R. A Instituição eclesiástica durante a primeira época colonial In: HOORNAERT E. (org.) História da Igreja no Brasil. Ensaio de interpretação a partir do povo. Primeira Época. 3ª edição, Petrópolis: Vozes, 1983, p. 153-242.

BEOZZO, J. O. Decadência e morte, restauração e multiplicação das ordens e congregações religiosas no Brasil 1870-1930 In: AZZI R.(ed.), A vida religiosa no Brasil. Enfoques históricos, S. Paulo: Paulinas, 1983, p. 85-129.

CNBB, A pastoral vocacional no Brasil história e perspectivas, n. 50, S. Paulo: Paulinas, 1987.

COELHO, J. J. T. Instrução para o Governo, Apud: HOORNAERT (coord), História da Igreja no Brasil. Ensaio de interpretação a partir do povo. Primeira Época. 3ª edição, Petrópolis: Vozes, 1983, p. 153-242.

HOORNAERT, E. O Cristianismo Moreno do Brasil, Petrópolis: Vozes, 1991.

FRAGOSO, H. A Igreja na formação do Estado Liberal (1840-1875), IN: BEOZZO, O. (coord), História Geral da Igreja na América Latina. História da Igreja no Brasil. Segunda Época – Século XIX, tomo II/2, 2ª edição, Petrópolis: Vozes, 1985, p. 241-254.

GUASCO, M. Seminari e clero nel ‘900, Cinisello Balsamo (Milano): Paoline, 1990.

HOORNAERT, E. O Cristianismo Moreno do Brasil, Petrópolis: Vozes, 1991.

LEITE, S. História da companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1945, (v.2).

MATOS, H. C. Nossa História: 500 anos de presença da Igreja Católica no Brasil. São Paulo: Edições Paulinas, 2002 (t.2, período imperial e transição republicana).

NOGUEIRA, S. L. O seminário de Olinda e o seu fundador o bispo Azeredo Coutinho. Recife: FUNDARPE, 1985.

PIERRARD, P. História da Igreja, 2ª edição, São Paulo: Paulinas, 1986.

__________.História da Igreja Católica. Lisboa: Planeta Editora, 2002.

PRATTA, M. A. Mestres, santos e pecadores: educação, religião e ideologia na primeira república brasileira. São Carlos: RiMa Editora, 2002.

THÉRBERGE, P. Esboço Histórico sobre a província do Ceará, Tomo I. Fortaleza: Biblioteca Básica Cearense, 2001 [Edição Fac-Similar].

ZAGHENI, G. A idade contemporânea. Curso de História da Igreja IV. São Paulo: Paulus, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.25190/rec.v3i1.1396

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Expressão Católica

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


ISSN: 2357-8483

Revista Associada
Indexadores
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.