ECONOMIA CRIATIVA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO DOS ARTIGOS PUBLICADOS NOS ANAIS EnANPAD E PERIÓDICOS DO SPELL DE 2010 A 2015

Francisco Laurêncio Rodrigues da Silva, Daniel Paiva Mendes, Douglas Willyam Rodrigues Gomes, Elane Maria de Castro Coutinho, Marcos James Chaves Bessa

Resumo


A área da economia criativa ou indústrias criativas tem sido cada vez mais explorada nos trabalhos realizados. Objetivando uma utilização frequente e uma ótima ferramenta geradora de renda através da própria cultura local, o que demonstra a profissionalização das empresas e o comprometimento com o bem-estar pessoal, profissional dos colaboradores e o social visando o desenvolvimento não só da entidade, como também da comunidade. Com o intuito de contribuir no campo de estudo da economia criativa, este artigo realizou um estudo bibliométrico, por meio das publicações de artigos do EnANPAD e SPELL sobre as indústrias criativas nos períodos de 2010 a 2015, tendo como o objetivo identificar as principais contribuições na área da economia criativa nos anais e periódicos desses dois importantes instrumentos da administração. Quanto às categorias identificadas na pesquisa, conclui-se que é uma área considerada nova, mas as produções científicas estão acompanhando a evolução do empreendedorismo, principalmente com o quantitativo de publicações e estudos realizados nos encontros do EnANPAD e SPELL, que aparentemente contou com poucas publicações nos anais.


Palavras-chave


Economia criativa. Empreendedorismo. Cultura brasileira. Bibliometria.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBAGLI, S.; PIRES, V. S. Estratégias empresariais, dinâmicas informacionais e identidade de marca na economia criativa. Perspect. ciênc.inf., Belo Horizonte, v.17, n.2, jun. 2007.

ALMEIDA, A. S.; TEIXEIRA, R. M.; LUFT, M. C. M. S. Mapeando a produção científica sobre economia criativa em periódicos nacionais e internacionais de 2000 a 2013. Pensamentos Contemporâneos em Administração, Rio de Janeiro, v. 8, n.4, p.23-47, set. 2014.

ARAÚJO, C. A. Bibliometria: Evolução história e questões atuais. Em Questão, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, jan./jun. 2006.

BARDI, L. B. Architettura e natura, la casa nel paesaggio. Domus, n.191, nov. 1943. p. 464.

BENDASSOLLI, P. F.; WOOD JUNIOR, T.; KIRSCHBAUM, C.; CUNHA, M. Pina e. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Revista de administração de empresas, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, v.49, n.1, 2009.

BIANCHI, M.; SILVA, C. V. da; GELATTI, R. A evolução e o perfil da governança corporativa no Brasil: um levantamento da produção científica do ENANPAD entre 1999-2008. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 33., 2009, São Paulo (SP). Anais... São Paulo: EnaNPAD, 2009.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. Setorial 30. Rio de Janeiro: BNDS, [200-?]. Disponível em:

/Arquivos/conhecimento/bnset/set3007.pdf>. Acesso em: 16 fev. 2016.

BOURDIEU, P. Poder simbólico. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BRASIL. Ministério da Cultura. Discurso de posse da ministra da cultura Ana Hollanda. Brasília: MinC, 2013. Disponível em . Acesso em: 28 jan. 2016.

BRASILEIRO FILHO, I. de O. Estado de graça: o humor cearense como dimensão da economia criativa e em prol do desenvolvimento local. 2010. 84 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2016.

BRÍGIDO, J. O Ceará – lado cômico. Fortaleza: Edictor Louis C. Cholowiecki, 1900.

CABRAL, A. C. A.; OLIVEIRA, P. G. G.; FREITAS FILHO, W. B.; SANTOS, S. M. dos. Economia criativa na produção científica brasileira em administração: Mapeamento bibliométrico nas bases ANPAD, CAPES e SPELL. In: CONGRESSO IFBAE, 8., 2015, Gramado (RS). Anais... Gramado: IFBAE, 2015. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2015.

CAVES, R. E. Creative industries: contracts between art and commerce. Cambridge: Harvard University Press, 2001.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

COSTA, F. L. da. Calha Norte: modelo de gestão e cooperação institucional. Manaus: Fundação Getulio Vargas/Instituto Superior de Administração e Economia da Amazônia (Isae), 2006.

DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações

gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

DEHEINZELIN, L. Economia criativa e empreendedorismo cultural. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 2., 2006, Salvador (BA). Anais... Salvador, BA: UFBa, 2006. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2015.

DUARTE, M. de F.; SILVA, A. L. A experimentação do risco na carreira criativa: O caso de mestres da cultura do artesanato cearense. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, Campo Largo – PR, v. 12, n. 2, p. 22 – 38, ago. 2013.

FERREIRA, A. G. C. Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia. Paraíba, ISSN: 1981-0695. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2015.

FLORIDA, R. The fl ight of the creative class. New York: Harper Business, 2005.

GASPAR. M. A. Gestão da criação de conhecimento na indústria criativa de Software. Revista de Negócios, ISSN 1980-4431, Blumenau, v. 14, n. 4 p. 28- 42, out. 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GUEDES, V.; BORSCHIVER, S. Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. In: CINFORM – Encontro Nacional de Ciência da Informação, 6., 2005, Salvador. Anais... Salvador: ICI/UFBA, 2005.

HUSSEY, R.; COLLIS, J. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

KLEINUBING, L. da S. Análise bibliométria da produção científica em gestão da informação na base de dados lisa. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas – SP , v.8, n. 1, p. 01-11, julho. 2010.

KOBASHI, N. Y.; SANTOS, R. N. M. Arqueologia do trabalho imaterial: uma aplicação bibliométrica à análise de dissertações e teses. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, n. esp., 1º sem. 2008.

JUSBRASIL. Secretário da cultura destaca ações em prol do humor. [s. l.]: Jusbrasil, 2009.

LIMA. E. C. Planejamento ambiental como subsídio para gestão ambiental da bacia de drenagem do açude Paulo Sarasate Varjota-Ceará. 2012. 202 f. Tese (Doutorado em Geografia). Departamento de Geografia, Centro de Ciências, Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, 2016.

MACÍAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cientometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, Brasilia, v. 27, n. 2, p. 134-140, maio/ago. 1998.

BARBA, B. M. Los Indicadores Bibliométricos: fundamentos y aplicación al análisis de la ciência. Gijón: Ediciones Trea, 2003

MATOS, T. Vaiando o sol. Fortaleza: Livro Técnico Tupyniquim, 2000.

MEADOWS. A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos Livros, 1999. 268 p.

MONTEIRO, J. E. R.; SILVA, G. I. S. da; PETER, M. da G. A.; MACHADO, M. V. V. Ética e Contabilidade: Estudo Bibliométrico das publicações dos anais do ENaNPAD na primeira década do Século XXI. Seminário em Administração – SemeAd, 14., 2011, Santa Maria (RS). Anais... Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2016.

NEWBIGIN, J. A Economia Criativa: um guia introdutório. London: British Council, 2010.

PIRES, V. S.; ALBAGLI, S. Estratégias empresariais, dinâmicas informacionais e identidade de marca na economia criativa. Perspect. ciênc.inf., Belo Horizonte, v.17, n.2, Jun 2007.

PRITCHARD, A. Statistical bibliography or bibliometrics? Journal of Documentation, [s. l.], v. 25, n.4, p. 348-349, dec. 1969.

REIS, A. C. F.; KAGEYAMA, P. Cidades criativas: perspectivas. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2011.

SECRETARIA DE CULTURA DO ESTADO DO CEARÁ. Revela Ceará Jovem ano de 2009. Fortaleza (CE): SECULT, 2011.

SERRA, R.; FERNANDES, R. S. Economia criativa: da discussão do conceito à formulação de políticas públicas. Economia Criativa, São Paulo , v . 11 , n .4, p .355-372, dez. 2014.

SILVA, G. M.; NEVES, J. A. B. Estruturação organizacional e realidade socioeconômica: O caso da indústria criativa minero-artesanal em três municípios de Minas Gerais. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 13, n. 1, p. 53-62, mar. 2011.

SILVA, M. Humor, vergonha e decoro na cidade de Fortaleza (1850-1890). Fortaleza: Museu do Ceará; SECULT, 2009.

SOUSA. F. L. Clima organizacional: Um estudo bibliométrico dos artigos publicados nos anais do EnANPAD de 2007 a 2011. Picos (PI): UFPI, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2015

SPELL Biblioteca eletrônica. Artigos publicados na área da economia criativa entre 2010 e 2015. [s.l.]: Speel, 2012. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2015.

UNESCO. Creative economy: report 2010. Nova York: United Nation, 2010.

VANTI, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 2, p. 152-162, maio/ago. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.25190/rec.v5i1.1476

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Expressão Católica

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


ISSN: 2357-8483

Revista Associada
Indexadores
Área de Avaliação Qualis | Quadriênio 2013-2016 Classificação
Administração pública e de empresas, ciências contábeis e turismo. B5
Educação. C
Filosofia. C
Ciências Biológicas II C
Direito B5
Ensino B5
Interdisciplinar C
Letras/Linguística C
Psicologia B5
Saúde coletiva C
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.