AFETIVIDADE NA APRENDIZAGEM DO ALUNO COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

Janine Cipriano Pinheiro, Everaldo Lauritzen Lucena Filho

Resumo


Tem sido cada vez mais crescente o número de pesquisas que envolvem a influência da afetividade no processo de ensino-aprendizagem. No que diz respeito a afetividade na aprendizagem do aluno com Transtorno do Espectro Autista, ainda não existem estudiosos que se debrucem sobre o assunto. Nesta perspectiva, a presente pesquisa nasceu da necessidade de se investigar se a relação de afetividade entre o educador e educando influencia no processo de ensino-aprendizagem do aluno com Transtorno do Espectro Autista, uma vez que o autismo é considerado um distúrbio do desenvolvimento global, que afeta principalmente áreas como a linguagem, a cognição e a interação social. Sendo assim, o objetivo da referida pesquisa é o de compreender qual a importância da afetividade no processo de aprendizagem do autista. Esta pesquisa trata-se de um trabalho de revisão bibliográfica, cujo o referencial teórico se baseia em Ariès (2014), Wallon (1978) e Cunha (2010). Com base nos autores citados anteriormente, a pesquisa demonstrou que a relação de afetividade entre o educador e o educando pode então contribuir para o processo de aprendizagem do aluno com TEA.

Palavras-chave


Afetividade; Transtorno do Espectro Autista; Relação educador e educando

Texto completo:

ART 07

Referências


ARIÉS, P. História social da criança e da família. LTC, 2014.

BAPTISTA, C. R.; BOSA, C. Autismo e educação: reflexões e propostas de intervenção. Porto Alegre: Arimed, 2002.

BRASIL. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3º do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2012.

CAMPOS, D. M. de S. Psicologia da Aprendizagem. 19. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

CUNHA, E. Afeto e aprendizagem, relação de amorozidade na prática pedagógica. Petrópolis, RJ: Wak 2008.

CUNHA, E. Autismo e Inclusão: psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. 2. ed. Rio de janeiro: Wak, 2010.

CUNHA, E. Autismo na escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar. 3. ed. Rio de janeiro: Wak, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra, 2010.

JAINES, S. R. D. O. O papel do orientador educacional diante das dificuldades de aprendizagem no ambiente escolar. Revista ciclo de conhecimento, 2014.

KIROUAC, G. Les émotions. In: RICHELE, M. et al. Paris: PUF, 1994.

LIRA, S. M. de. Escolarização de alunos autistas: histórias de sala de aula. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: http://www.proped.pro.br/teses/teses_pdf/Solange_Maria_de_Lira-ME.pdf. Acesso em: 25 maio 2019.

MARQUES, C. F. F. da C.; ARRUDA, S. L. S. Autismo infantil e vínculo terapêutico. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 1, p. 115-124, jan./mar. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v24n1/v24n1a13.pdf. Acesso em: maio 2019.

MOLLICA, F. B. da F.; SANTOS, V. X. dos. A importância da afetividade para o desenvolvimento. 2017. Disponível em: http://webartigos.com/artigos/a-importancia-da-afeti vidade-para-o-desenvolvimento-cognitivo-da-crianca-portadora-do-transtorno-do-espectro-autista/150055. Acesso em: 21 maio 2019.

OMS. Classificação de transtornos mentais da CID-10. Porto Alegre: Artemed. 1993.

ONU. Declaração dos direitos das pessoas deficientes. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/dec_def.pdf. Acesso em: 25 out. 2018.

PEREIRA, C. C. V. Autismo e família: participação dos pais no tratamento e desenvolvimento dos filhos autistas. Facene/Famene, 2011. Disponível em: file:///C:/Users/DELL/Downloads/Autismo_e_fam%C3%ADlia_-_2011_-_2_pag_51-58.pdf. Acesso em: 27 maio 2019.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. 24. ed. Rio de Janeiro: Forence Universitária, 1999.

PIAGET, J. Psicologia da inteligência. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

RODRIGUES, J. M. C. R.; SPENCER, E. A criança autista: um estudo psicopedagógico. Rio de Janeiro: Wak, 2010.

SALTINI, C. J. P. AFETIVIDADE E INTELIGÊNCIA. Rio de Janeiro: Wak, 2008.

SZABO, Cleusa. Autismo em questão. 3 ed. São Paulo: Angellara editora, 1997.

TOLEZANI, M. Son-Rise uma abordagem inovadora. Revista Autismo: informação gerando ação, São Paulo, ano 1, p. 8-10, set. 2010. Disponível em: http://www.revistaautismo.com.br/edic-o-0/son-rise-uma-abordagem-inovadora. Acesso em: 20 maio 2019.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70, 1968.

WALLON, H. As Origens do Caráter na Criança. São Paulo: Difusão Européiado Livro, 1971.

WALLON, H. As origens do pensamento da criança. São Paulo: Manole, 1989.

WALLON, H. Do ato ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores, 1978.

WALLON, H. Uma concepção dialética do desenvolvimento infantil/Izabel Galvão. Petrópolis, RJ; Vozes, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.25190/rec.v9i1.3225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Expressão Católica

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


ISSN: 2357-8483

Revista Associada
Indexadores
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.