A EXPERIÊNCIA DE REFLEXÃO E AÇÃO DO ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA O AMADURECIMENTO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E PARA FORMAÇÃO DE FUTUROS DOCENTES

Andreia Ines Dillenburg, Liliane Milani de Moraes, Roberta Aparecida Fantinel

Resumo


O presente trabalho visa relatar a experiência docente no ensino técnico possibilitado pelo Programa Especial de Graduação de Formação de Professores para a Educação Profissional (PEG). Busca-se apresentar a experiência pedagógica, descrevendo as vivências nas atividades propostas para o exercício da docência, analisando os desafios inerentes à prática docente no ensino de nível técnico. A coleta de dados do presente estudo ocorreu por meio da análise dos relatórios e práticas desenvolvidas no Estágio Curricular Supervisionado III. As discussões ocorreram por meio de registros escritos das práticas, demandas e avanços da prática do estágio e Grupos Focais (GF) realizados nas aulas no PEG. A discussão e análise das reflexões propostas no curso de formação de professores que emergem serão apresentadas em três itens. Inicialmente, as discussões ficarão no que se refere ao estágio, na sequência será apresentada a relevância do planejamento como um instrumento que impulsiona a reflexão e ação sobre a prática docente e, por fim, a relação de aprendizagem mútua entre os discentes estagiários e os alunos do campo do estágio. Toda a experiência gera um aprendizado, e é fundamental que estejamos abertos a compreender tudo que se passa, ou grande parte, para percebermos as várias mediações existentes numa relação pedagógica, que envolve ensino e aprendizagem. Verificou-se que a prática e reflexões ocorridas durante a prática do estágio III proporcionaram pensar, agir, ver e compreender a própria ação pedagógica.

Palavras-chave


Prática docente; Estágio; Experiência

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, C. Relações Interpessoais e Autoestima. 4. ed. Rio de Janeiro,RJ: Vozes. 2007.

BARREIRO, I. M. de F.; GEBRAN, R. A. Prática de ensino e estágio supervisionado na formação de professores. São Paulo: Avercamp, 2006.

BERGER FILHO, R. L. Educação profissional no Brasil: novos rumos. Revista Iberoamericana de Educación, v. 20, maio/ago. 1999.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Brasília, 23 de dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, v. 1, n. 1, jun. 2008. Brasília: MEC, SETEC, 2008.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_02.pdf. Acesso em: 26 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 26 de set. 2008.

BRASIL. Lei nº 11.741, de 16 de julho de 2008. Altera dispositivos da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica. Brasília, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11741.htm. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11741.htm. Acesso em: 30 de abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.014, de 6 de agosto de 2009. Altera o art. 61 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com a finalidade de discriminar as categorias de trabalhadores que se devem considerar profissionais da educação. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=12014&ano=2009&ato=eedITWU90dVpWTaf4. Acesso em: 30 out. 2019.

COSTA, M. A. F. da; COSTA, M. de F. B. da. Metodologia da Pesquisa: Conceitos e Técnicas. Rio de Janeiro, RJ: Interciência, 2009.

DAYRELL, J. A escola como espaço sociocultural. In: DAYRELL, J. (org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 2001. (Coleção Perspectiva em Educação Matemática).

FAZENDA, I. C. A. (org.). Práticas interdisciplinares na escola. 8. ed. São Paulo: Cortez, 1991.

GAUTHIER C. et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Ed. Unijuí, 1998.

FRANCISCO, C. M.; PEREIRA, A. S. Supervisão e Sucesso do desempenho do aluno no estágio. Revista Digital, Buenos Aires, v. 10, n. 69, fev. 2004.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIL, A. C. Metodologia do ensino superior, 2. Ed. São Paulo: Atlas, 1994.

KRAEMER, M. E. A Avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer. 2005. Disponível em: http://www. gestiopolis.com/canales/fin/avalica.htm. Acesso em: 8 out. 2019.

KITZINGER, J.; BARBOUR, R. S. Introduction: the challenge and promise of focus groups. In: KITZINGER, J.; BARBOUR, R. S. (org.). Developing focus group research: politics, theory and practice. London, UK: Sage, 1999.

MANFREDI, S. M. Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

MANFREDI, S. M. Trabalho, Qualificação e competência profissional: das dimensões conceituais e políticas. Educação & Sociedade, Campinas, São Paulo, v. 64, p. 13-49, set. 1998.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: aprendizagem e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Editora Scipione, 2003.

PELOZO, R. de C. B. Prática de Ensino e o Estágio Supervisionado enquanto mediação entre ensino, pesquisa e extensão. Revista Científica Eletrônica de Pedagogia, v. 5, n. 10, jul. 2007.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Porque o estágio para quem já exerce o magistério: uma proposta de formação contínua. In: PIMENTA, S. G.; SOCORRO, M. L. Estágio e docência. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RAYS. O. A. Planejamento do ensino: um ato político pedagógico. Revista Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 3, n. 1, 1996.

SOUZA, J. C. A.; BONELA, L. A.; PAULA, A. H. de. A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educação física: uma visão docente e discente. MOVIMENTUM – Revista Digital de Educação Física, Ipatinga, Unileste-MG, v. 2, n. 2, ago./dez. 2007.

TARDIF, M.; GAUTHIER, C. O saber profissional dos professores – fundamentos e epistemologia. SEMINÁRIO DE PESQUISA SOBRE O SABER DOCENTE, 1996, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: UFCE, 1996.

UFSM. Programa Especial de Graduação: Formação de professores para a Educação Profissional (PEG). Santa Maria, 2016. Disponível em: https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/733/2019/12/Est%C3%A1gio-PEG-ok.pdf. Acesso em: 8 out. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.25190/rec.v10i1.4016

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Expressão Católica

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


ISSN: 2357-8483

Revista Associada
Indexadores
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.